A nova onda de derrubada das estátuas

  • José Francisco Alves

Abstract

Em razão da revolta contra a morte de George Floyd por policiais em Minneapolis, EUA, em 25 de maio de 2020, todos nós pudemos acompanhar online os inúmeros e violentos protestos pelo mundo que se seguiram, muitos dos quais resultaram em mortes e destruição. Pouco a pouco, os protestos pela Justiça e punição aos policiais, assim como pelo fim do preconceito contra o povo negro, ampliaram-se em causas. Como exemplo dessas causas, a lembrança do genocídio indígena nas Américas e a luta pela “descolonização”. Com estas justificativas, como de hábito, voltaram-se multidões genuinamente abaladas, revoltadas, assim como pequenos grupos de mascarados, às escuras, contra monumentos erguidos por gerações predecessoras em espaços públicos, destruindo, vandalizando ou fazendo serem removidos.

Published
2020-12-30